FILMES SELECIONADOS

O Júri Oficial será responsável por eleger os melhores curtas, sendo que o mesmo filme poderá ser também premiado pelo Júri Popular, em votação presencial nas salas de exibição durante a semana do Festival. 
O Entretodos ainda premiará, com troféu e certificado, sem qualquer valor monetário, o melhor curta da MOSTRA ONLINE, eleito pelo público. Já a Mostra Infantil não é competitiva.

Reduto: personagens que resistem, de forma lúdica ou em ativismo silencioso, ao conjunto das forças que os ameaçam

Sog, Jonatan Schwenk, 10’, Alemanha, 2017
Após uma inundação, alguns peixes ficaram presos em árvores antigas. Correndo o risco de ficarem secos, eles gritam bruscamente. O barulho desperta os habitantes de uma caverna próxima que não se sentem felizes com o encontro nada intencional.

Latossolo, Michel Silva dos Santos, 18’, Brasil, 2017
A relação do homem com seu ambiente natural, e a ocupação de uma cidade localizada sobre o latossolo vermelho amarelo.

Vidas Cinzas, Leonardo Martinelli, 15’, Brasil, 2017
Um falso documentário sobre a atual crise social, política e econômica no Brasil, onde o governo corta as cores do Rio de Janeiro, deixando a cidade em preto e branco.

Bandeira, Thiago "Zé" Ferreira, 22’, Brasil, 2016
Uirá é um indígena brasileiro que irá partir em uma jornada para confrontar o preconceito e os criminosos que exploraram seu povo e sua família.

Era Uma Vez Agora, Coletivo Casa da Lapa, 5’, Brasil, 2017
‘Era Uma Vez Agora’ é um curta metragem de 5 minutos que faz parte da série 'Enquadro 5x5', que retrata territórios de São Paulo através da interação de diversos coletivos e artistas urbanos, cruzando personagens que condensam, em sua trajetória, o perfil e história de cada região da cidade.


Em ‘Era Uma Vez Agora’, a garota Jenifer fica incumbida de cuidar de seu irmão mais novo e entra em pânico ao perceber que ele sumiu de sua vista. Ela sai pelas ruas do bairro, deparando-se com intervenções que remetem ao que significa ser criança na Cracolândia, na região central de São Paulo.



Ruptura: avistamos raízes e consequências das mais diversas e graves ofensas pronunciadas contra humanos e seus direitos.

Casca de Baobá, Mariana Luiza, 12’, Brasil, 2017
Maria, uma jovem negra nascida em um quilombo no interior do estado, é cotista na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Sua mãe, Francisca, leva a vida cortando cana nas proximidades do quilombo. As duas trocam mensagens para matar a saudade e refletir sobre o fim de uma era econômica-social.

Universo Preto Paralelo, Rubens Passaro, 12’, Brasil, 2017
O filme discute a infração dos direitos humanos na história brasileira, onde a tortura foi e é um mecanismo presente de repressão utilizada pelo estado.

Torre, Nádia Mangolini, 18’, Brasil, 2017
Quatro irmãos, filhos de Virgílio Gomes da Silva, o primeiro desaparecido político da ditadura militar brasileira, relatam suas infâncias durante o regime.

O olho do cão, Samuel Lobo, 20’, Brasil, 2017
Uma história de amizade, resistência e revolta. É domingo no Rio de Janeiro, Buck Jones sai para um passeio.

Love, Sophie Chamoux, 6’, França, 2016
A história de um amor doentio. Um que exalta, um que se extingue.



Fábula: espaço para a liberdade dos sonhos, dos desejos e das experiências particulares.

Depois que te vi, Vinícius Saramago, 16’, Brasil, 2016
A metódica rotina de um jovem autista muda radicalmente quando ele vê uma menina passar de bicicleta.

O Chá do General, Bob Yang (Yang Kuan Mei), 22’, Brasil, 2016
Um general aposentado chinês recebe a inesperada visita de seu neto.

Orquestra Invisível Let's Dance, Alice Riff, 19’, Brasil, 2016
O documentário conta a história de Seu Osvaldo, o primeiro DJ do Brasil.

A retirada para um coração bruto, Marco Antônio Pereira, 15’, Brasil, 2017
Ozório é um senhor que vive sozinho onde o Judas perdeu as botas, na zona rural de Cordisburgo-MG. Ele está esmurecido pela perda de sua companheira da vida inteira. Agora ele passa seus dias ouvindo rock no rádio.



Rastro: personagens se posicionam diante das forças dominadoras, capitulam pelo silêncio ou decifram e convertem as contrariedades.

Luiza, Caio Baú, 15’, Brasil, 2016
“Luiza” trata da delicada relação entre uma jovem deficiente e o universo que a cerca, tendo a sexualidade como fio condutor para abordar questões como preconceito, relações entre pais e filhos, superproteção da família, autonomia, diferenças e amor.

Bellanca, Víctor Nores, 17’, Espanha, 2016
Feche seus olhos e imagine que você nunca conseguirá abri-los. Agora, imagine que o tempo passa e seu ouvidos não escutam mais. Como sua vida mudaria?

Il Silenzio, Ali Asgari e Farnoosh Samadi, 15’, Itália/França, 2016
Fatma e sua mãe são refugiadas curdas na Itália. Na visita ao médico, ela deve traduzir o que a médica conta para sua mãe, mas ela fica em silêncio.

Deda/Mother, Rati Tsiteladze, 10’, Geórgia, 2016
Com base em uma história verdadeira sobre uma mãe solteira que é forçada a esconder a existência do filho por causa do contexto social e cultural para não se tornar sujeito ao julgamento e à condenação.

112 – Pizza, Elefterios Zacharopoulos, 7’, Bélgica/França, 2016
Uma mulher chama o serviço de emergência (911) e, de repente, ela começa a pedir uma pizza. Mas, e se desta vez não fosse uma piada?

Tentei, Laís Melo, 15’, Brasil, 2017
Depois de outra noite de tristeza, Gloria decide mudar o curso de sua vida.



Olhar: um mergulho em referências próprias com destaque para a mediação.

Censurado, Pedro Henrique Xavier Buson, 9’, Brasil, 2017
1971, ditadura militar: a censura está no seu auge. Em um dia monótono de trabalho, Roberto e Zé são os censores e têm a difícil tarefa de julgar o filme "Nacional".

Pele de Monstro, Barbara Maria do Carmo Silva, 20’, Brasil, 2016
Estudantes negros da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) relacionam situações de racismo vividas por eles com filmes de terror dos anos 60.

Positive Youtubers - A Machinima, Leandro Goddinho, 15’, Brasil/Alemanha, 2017
Documentário feito com material gravado pela tela do computador, sobre quatro brasileiros que criaram canais no Youtube para falar sobre seu status de HIV, de uma forma positiva.

Maria, Elen Linth Marques Dantas, 17’, Brasil, 2017
Nascida aos 16, numa cidade ensanguentada por corpos de peito e pau.

Entre os Ombros, Carolina Castilho, 19’, Brasil,2016
Questões que fazem da identidade de gênero uma construção social exposta através da relação entre uma adolescente intersexual, sua mãe e a cidade.



MOSTRA INFANTIL (não competitiva)

Próxima, Luiza Campos, 15', Brasil, 2017
Aos doze anos, Carol percebe que o mundo ao seu redor está muito parecido: suas tias e primas, as amigas da escola, as mulheres nas lojas, as cantoras da internet, todas estão com o cabelo liso. Menos ela.

As Aventuras do Chauá, Alunos da Escola Municipal Santo Antônio do Norte e Rosaria, 4', Brasil, 2016
O filme apresenta um alerta sobre a importância da preservação ambiental e do Papagaio Chauá, espécie nativa da Mata Atlântica, ameaçada de extinção.

No Caminho da Escola, Alunos do Projeto Animação, 9', Brasil, 2017
Com suas águas cristalinas, o Rio Grande nos traz segredos, belezas e também benefícios. É preciso mantê-lo limpo, sem lixo, cuidar das nascentes e preservar as matas ciliares para que toda essa riqueza se mantenha por mais muitos anos. Esses são alguns dos temas abordados no filme, que mostra que a preservação do meio ambiente começa com pequenas atitudes.

Os Segredos do Rio Grande, Analúcia Godoi, 6', Brasil, 2017
Com suas águas cristalinas, o Rio Grande nos traz segredos, belezas e também benefícios. É preciso mantê-lo limpo, sem lixo, cuidar das nascentes e preservar as matas ciliares para que toda essa riqueza se mantenha por mais muitos anos. Esses são alguns dos temas abordados no filme, que mostra que a preservação do meio ambiente começa com pequenas atitudes.

The box, Merve Cirisoglu Cotur, 7', Reino Unido, 2016
O precioso objeto de um filho sírio é uma caixa, que é usado para vários fins, como um brinquedo, uma casa e um barco, respectivamente.

O último índio, Maria Teresa Murer, 12', Brasil, 2017
Quando a aldeia acaba, o velho pajé Tamai leva o último índio, o jovem Caiua, para viver com povo índio irmão. Durante o caminho vai ensinando Caiua, que vivia com os homens brancos, a ser índio de novo.

Retweet, Cristina Vilches Estella, 1', Espanha, 2017
Há uma vida além de uma tela ...

Jano, Mario Varela, 12', Argentina, 2016
A criança Jano está sozinha no apartamento. O reflexo de uma cidade convulsionada invade seu mundo.

El Niño y la Noche, Claudia Ruiz, 14', Argentina, 2017



MOSTRA ONLINE – De 14 a 24/11

Filhos da Lua na Terra do Sol, Danielle Bertolini, 15’, Brasil, 2016
Artigos 3º e 5º, que abordam o direito à vida, e o direito a não sofrer tratamento degradante - essas condições são extremamente delicadas e vivenciadas por pessoas portadoras de albinismo, como é o caso dos personagens deste documentário.

Ferroada, Adriana Barbosa, 25’, Brasil, 2016
O filme discute principalmente a liberdade, os direitos civis e políticos. Fala também sobre questões como a violência policial que sofre a população marginalizada e as dificuldades do mundo do trabalho. A relação da cidade é retratada de uma perspectiva crítica da realidade urbana brasileira e a condição humana contemporânea. O artista/trabalhador se depara no filme com uma sociedade opressora e a favor do capital.

Manifesto Porongos, Thiago Köche, 16’, Brasil, 2016
O documentário "Manifesto Porongos" faz parte de um projeto do grupo de hip hop gaúcho Rafuagi que além do curta-metragem, tem também um videoclipe. O projeto visa contar a verdadeira identidade da Revolução Farroupilha no Rio Grande do Sul, sempre ensinada como abolicionista. No documentário mostramos o outro lado, o da verdade sempre omitida, o do Massacre de Porongos, onde negros que lutaram por sua liberdade tiveram suas vidas tiradas covardemente num dos maiores atos racistas e genocidas da história do país.

O Arco do Medo, Juan Rodrigues, 9’, Brasil, 2017
o direito de existir, de forma igualitária, como negrx, lgbtq, periférico, sobre as formas que o racismo atua sobre nós e sobre microagressões diárias ao nosso direito de ir e ser.

Pontos de Vista, Isa Meneghini, 15’, Brasil, 2017
Charlie possui o pescoço torto, mas pensa que é reto, então sente a necessidade de desentortar o mundo ao seu redor.

N.O.S.U.G.A.R., Eirini Polydorou, 13’, Grécia, 2017
Este filme, intitulado "N.O. S.U.G.A.R. ", trata de uma Nova Ordem de Sem Tetos silenciosa e ativa que prepara uma Revolução emergente em um país em crise (Grécia) e / ou sobre uma Revolução Emergente de Solidariedade Urgente. Um filme atual que fala…