Jurados

Júri - Mostra Competitiva

  • Aretha Sadick

    É uma multiartista Queer que usa as artes visuais, performance e música eletrônica como plataformas de discussão sobre gênero, raça e sexualidade. Participou de debates e residências artísticas no Brasil e Europa discutindo sobre a produção audiovisual negra. Como modelo, desfilou na Casa de Criadores para Isaac Silva, Cem Freio, Brechó Replay, Fernando Cozendey, Rober Dognani, e na SPFW para Ronaldo Fraga, assim como em editoriais de revistas de moda e arte. Masculinidade e Feminilidade e tudo o que está ‘Entre’ são elementos para o seu trabalho.

  • Carlos Cordovano Vieira

    É mestre em Economia Política pela USP, Doutor em História Econômica pela Unicamp. Pesquisador e Professor docente do Instituto de História Econômica da Unicamp. Ensaísta especializado em Formação do Brasil_ História Econômica. Pianista e Compositor, trabalha com Trilha Sonora para Teatro. Sua última peça foi DOS PRAZERES, em cartaz no SESC Vila Mariana em Jan-Fev 2020. Atualmente trabalha numa adaptação teatral do filme FESTA DE FAMÍLIA.

  • Bob Wolfenson

    Fotógrafo, uma das referencias nacionais como retratista, fotógrafo de nus e de moda, transita entre projetos artísticos e publicidade. Expos em Museus como MASP, MAC, Instituições tais Itaú Cultural e Galerias do Brasil e do mundo. Trabalhou e trabalha para inúmeras publicações (Folha de SP, Playboy, Rolling Stones, Vogue, Elle, Harper’s Bazaar, entre outras). Publicou livros como “Jardim da Luz” (Editora DBA/Companhia das Letras, 1996), “Moda no Brasil por Brasileiros” (Cosac Naify, 2003), “Antifachada-Encadernação Dourada” (Cosac Naify, 2004), “Cinépolis” (Schoeler, 2009), “Apreensões” (Cosac Naify, 2010), “Belvedere” (Cosac Naify, 2013), 24x36 (Schoeler Editions,2013) e “Bob Wolfenson” (Terra Virgem Edições, 2017), além de se apresentar em diversas exposições individuais, como as mostras: “A Caminho Do Mar”, 2007 “Nósoutros”, 2017, na Galeria Millan, ou coletivas como a “Modos de Ver o Brasil“ na Oca-Ibirapuera, um mergulho na coleção do Itaú Cultural, também em 2017.

  • Patricia Moran Fernandes

    Desponta como videomaker nos anos 80, junto a uma geração de jovens realizadores de Belo Horizonte, destacando-se pelo estilo anárquico, pela inventividade e pela preocupação social. Divide sua atuação profissional entre o ensino, a criação audiovisual e a pesquisa acadêmica. Mestre em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, é docente do Curso Superior do Audiovisual na Escola de Comunicações e Artes e do Curso de Design na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Teve trabalhos premiados, como Maldito Popular Brasileiro: Arnaldo Baptista (1990), vencedor da Concorrência Fiat 1990; Adeus América no VideoBrasil; Perdemos de 1 a 1 (2001), eleito Melhor Filme Mineiro pelo público no 3º Festival Internacional de Curtas de Belo Horizonte e Menção Honrosa na Jornada de Cinema da Bahia; Clandestinos (2002), premiado nos festivais internacionais de Bilbao e Caracas, e em festivais nacionais; e o longa Ponto Org (2010), que conquistou Melhor Trilha Sonora no Festival de Cinema de Gramado. Vive e trabalha em São Paulo. Pesquisa Performance Audiovisual.

  • Fabiola Notari

    Fabiola Notari é artista visual, professora e pesquisadora. Doutora em Literatura e Cultura Russa (FFLCH/USP), mestre em Poéticas Visuais pela Faculdade Santa Marcelina e bacharel em Artes Visuais pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, onde leciona desde 2012. Desde 2014 coordena o Grupo de Estudos Livros de artista, livros-objetos: entre vestígios e apagamentos e em 2018 criou o Núcleo de Livros de Artista. Ambas as iniciativas são apoiadas e realizadas na Casa Contemporânea, espaço multidisciplinar localizado no bairro de Vila Mariana em São Paulo-SP. Já participou de exposições e mostras artísticas no Brasil e no exterior com sua produção artística. Por conta de sua formação em artes visuais e de pesquisa teórica em arte, literatura e cultura russas, Fabiola Notari ministra palestras, workshops, oficinas e cursos voltados à produção, pesquisa e difusão das linguagens artísticas enquanto manifestação do indivíduo criativo. Seus principais objetos de estudos são o livro de artista, as práticas voltadas à linguagem gráfica - desenho, gravura e fotografia - e proposições interdisciplinares que mesclam cinema (audiovisual) e as artes visuais por meio das teorias e filmografia de Serguei M. Eisenstein. Também oferece com frequência orientações individuais de projetos artísticos.

  • Bruno Oliveira

    É educador e artista visual. Doutorando em Artes Visuais pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), com a pesquisa “Performar a Instituição: gramáticas do poder, estéticas insurgentes e dispositivos de contra-hegemonia na arte latino-americana”. Mestre em Estudos Interdisciplinares Latino-Americanos (UNILA/PR), especialista em Artes Plásticas e Contemporaneidade (UEMG/MG) e graduado em Ciência da Computação (FUMEC/MG). É pesquisador do MALOCA - Grupo de Estudos Multidisciplinares em Urbanismos e Arquiteturas do Sul da UNILA, com investigações sobre expressões visuais latino-americanas. Atua como coordenador de programação da Casa 1 (São Paulo/SP), um espaço de acolhida para jovens LGBT expulsos de casa e um centro cultural, além de atuar como educador e assistente no JAMAC (Jardim Miriam Arte Clube). Participou de exposições coletivas como osloBiennalen (Oslo/Noruega, 2019-2020), BienalSur (Tucumán/Argentina, 2017); Temporada de Projetos (Paço das Artes, São Paulo/Brazil, 2016); Programa de Exposições MARP (Ribeirão Preto/Brazil, 2015 and 2016) e Impressões&Contaminações (Belo Horizonte/Brazil, 2014).

Júri Educadores - Mostra Moçada

  • Sandra Santella

    Professora na Rede Municipal de São Paulo, Assistente de direção na EMEF Estação Jaraguá. Mestre em Educação e doutoranda em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem na PUC-SP.

  • Robson Novaes

    Possui graduação em BACHARELADO e LICENCIATURA PLENA EM GEOGRAFIA pela Universidade de São Paulo (2002), graduação em LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA pelo Centro Universitário Nove de Julho (2006), ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU em Educação de Jovens e Adultos pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (2009), MESTRADO EM GEOGRAFIA HUMANA (2013) pela Universidade de São Paulo - USP, e DOUTORADO EM GEOGRAFIA HUMANA (2018) pela Universidade de São Paulo - USP. Atuou como parecerista do Programa Nacional do Livro Didático - EJA (2011 e 2014). Desenvolveu atividades como Coordenador Pedagógico e atualmente é Diretor de Escola e Professor de Educação Básica da Prefeitura Municipal de São Paulo. Tem experiência na área de Educação, com ênfase no ensino de Geografia e Educação de Jovens e Adultos.

  • Amanda Prado de Oliveira

    Graduada em Ciências Sociais e Pedagogia, possui mestrado na área de Sociologia da Educação e especialização em Gestão Cultural. Nascida na cidade de São Paulo, atualmente reside em Bertioga, onde desenvolve (pessoalmente e por meio de seu trabalho) projetos nas áreas social, cultural e educativa, com especial interesse em ações e estudos sobre educação popular, gênero, raça e etnia, desigualdade social, infância e juventude. Acredita na potencialidade do Cinema como ferramenta social, valorizando possibilidades de expressão, liberdade, reflexão e a riqueza que existe na diversidade.

  • Dyane Guedes Cunha

    Possui graduação em Biblioteconomia pela Universidade de São Paulo (2006). Atualmente é Diretora de Relações Comunitárias e Institucionais na Pró-Reitoria de Extensão do Instituto Federal de São Paulo. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: formação profissional, extensão e mundo do trabalho.

  • Débora Zanatta

    Débora Zanatta é sapatona e pesquisadora de filmes com temática lésbica. Roteirista, diretora, produtora e cineclubista no Cineclube Solax, projeto voltado à exibição de filmes realizados por diretoras mulheres. Mestranda em Cinema e Artes do Vídeo na UNESPAR.